Ir para conteúdo 1 Ir para menu 2 Ir para busca 3 Ir para rodapé 4 Acessibilidade 5 Alto contraste 6

---

  • ?
  • ?

---

  • ?
  • ?


mais de 5 mil pessoas no aniversário do Municipio

Publicado em 23/04/2007 às 00:00 - Atualizado em 04/02/2014 às 11:19

Final de semana festivo para comemorar XVIII aniversário do Município 

Celso Ramos – Os moradores de Celso Ramos tiveram um final de semana diferente ao que estão acostumados rotineiramente. Uma extensa e diversificada programação foi desenvolvida pela prefeitura municipal com a finalidade de comemorar a passagem do XVIII aniversário de emancipação política administrativa da capital catarinense da cana-de-açúcar.

A data comemorativa ocorre no dia 26 de abril, mais as festividades foram antecipadas em virtude da realização do segundo rodeio crioulo interestadual de laço. As atividades iniciaram no sábado pela manhã no parque de festas Luiz de Lorenzi. As atenções do público estavam voltadas principalmente para a cancha de laço Marcos Surdi, onde aconteceu as competições do  tiro de laço.  Estima-se que mais de cinco mil pessoas passaram pelo local do evento durante os dois dias de festa. No inicio da noite de sábado, com a presença de muitas autoridades municipais e regionais, foi realizado o  ato inaugural da iluminação do parque de festas. O Prefeito em exercício Erminio Surdi e o Prefeito Licenciado José Alciomar de Mattia, num momento de bastante alegria acenderam simbolicamente as lâmpadas espalhadas pelo local, fazendo com o torneio não fosse interrompido pela chagada da escuridão da noite. Com tudo claro os competidores puderam continuar a jogar suas armadas em busca da boa premiação oferecida pelos organizadores do evento. O sábado ainda foi marcado pelo baile gaúcho realizado no ginásio de esportes, animado pelo conjunto Fogo de Chão.

No domingo as atenções se voltaram novamente para o parque de eventos, onde durante todo o dia os competidores do laço tiveram a oportunidade de mostrar todo o seu talento à platéia presente que acompanhou tudo bastante entusiasmada do lado de fora.

 “estamos muito satisfeitos com este momento, que para nós é de grande importância e merece ser lembrado. São dezoito anos de história, marcado por bravuras e realizações de um povo humilde e hospitaleiro como é a gente Celso ramense”, salientou o Prefeito Alciomar, emendando que “a inauguração da iluminação da cancha nada mais é do que um compromisso assumido e agora entregue a população, principalmente as muitas e muitas pessoas que tem suas origens ligadas ao tradicionalismo”, completou o Prefeito.

Segundo ele a cultura gaúcha faz parte da história do município e por esse motivo tem sido a principal atração do evento.

            Foram mais de 100 equipes inscritas no rodeio  

O tempo se manteve firme durante o final de semana  e a participação de equipes no segundo rodeio crioulo de laço surpreendeu os organizadores. No total foram 120 inscrições registradas, ou seja, quase quinhentos competidores,  representantes de diversos municípios da região. De acordo com o Prefeito em exercício Erminio Surdi, à premiação oferecida foi o grande atrativo aos concorrentes. Eram duas motos e vários televisores. Ao todo a premiação se aproximou de R$ 15 mil.

Surdi avalia que tudo se confirmou como era esperado. “nossa expectativa era ter o registro de pelo menos oitenta equipes, superamos bem esta meta.  O público também pode ser destacado, pois prestigiou intensamente as atividades, enfim tudo deu certo e por isso estamos bastante satisfeitos com este ótimo resultado obtido”, ressaltou.

Oracílio Ribeiro desempenhou uma atividade que passou despercebida pelas pessoas, mais importante para a realização da laçada.  A função do agricultor foi desenvolvida no meio dos animais que se preparavam para entrar na cancha. Bréteiro, esse é o nome que ele mesmo se dá. “fico aqui no bréte, ajeitando e separando os animais para que na hora exata estejam prontos para ser lançados na cancha. No momento em que o locutor do rodeio gritar o nome do laçador, a vaca ou o novilho deve ser solto para que o competidor possa mostrar o que sabe com o laço na mão”, explicou Oracílio que mora na comunidade de São Pedro.

Para ele é um trabalho nada lembrado,  mais de grande responsabilidade. “se nós não estivéssemos aqui certamente o evento não seria possível. Como em qualquer outra função, nós não podemos falhar, pois o público espera pela largada do laçador com grande expectativa.  Então não podemos errar, temos que ficar atentos e colocar o animal com precisão para que tudo de certo naqueles segundos que podem consagrar ou não um determinado competidor”, adiantou o bréteiro que trabalha com outros dois companheiros .

Mesmo não sendo muito valorizado, o bréteiro de rodeio, conta que não larga a profissão. “estou aqui por que gosto do que faço. Lidar com o gado é uma coisa muito divertida e também de certa forma emocionante”, afirmou o rapaz.

Segundo ele, foi utilizado no evento um rebanho de 450 cabeças de gado. Os animais foram separado em lotes de 30 cabeças. Cada animal entrou na cancha diversas vezes durante os dois dias de laçada, respeitando sempre um determinado tempo para o descanso merecido da bicharada.

  

Galeria de Imagens

  • {{galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
  • {{galeriaMultimidia.length + galeriaImagens.length + galeriaVideos.length - 12}}
Fechar

Galeria de Arquivos